Mulher & Família Política em Foco

Itamaraty faz campanha para aumentar presença da mulher na diplomacia

Embora representem mais da metade da população brasileira, as mulheres são 23% dos diplomatas a serviço do Brasil. Para mudar essa realidade, o Ministério das Relações Exteriores (MRE) lançou a campanha #maismulheresdiplomatas. Por meio de materiais de comunicação veiculados nas redes sociais do órgão, o Itamaraty espera ampliar a discussão sobre a carreira diplomática e estimular o ingresso de mulheres nela.

Chefe da Divisão de Paz e Segurança Internacional do ministério, Viviane Rios Balbino conta que a turma com a qual ingressou na carreira, em 2003, era composta por 39 pessoas, das quais apenas cinco eram mulheres. “Eu não conseguia entender por que as mulheres não estavam representadas, já que o concurso era aberto a pessoas graduadas em qualque r área do conhecimento e o programa dele é amplamente voltado para a área de ciências sociais, nas quais as mulheres têm mais competência, pelo menos segundo o estereotipo”, afirma.

O estranhamento diante dessa realidade levou Viviane Balbino a desenvolver pesquisa sobre o tema, que resultou em uma dissertação de mestrado, posteriormente convertida no livro Diplomata. Substantivo Comum de Dois Gêneros – um Estudo sobre a Presença das Mulheres na Diplomacia Brasileira. Ao pesquisar os motivos de tamanha desigualdade de gênero, concluiu que se tratava de preconceito e de uma expressão do afastamento das mulheres dos espaços de poder, que ocorre em diversas outras áreas da sociedade. “ Era a política, porque o Itamaraty é um órgão eminentemente político”, destaca.

A campanha #maismulheresdiplomatas ocorre no ano em que se comemora os 100 anos da entrada da primeira mulher na carreira diplomática brasileira. A pioneira foi Maria Rebello Mendes, que teve que batalhar na Justiça para ter sua inscrição e a de outras mulheres ao concurso de admissão aceitas. De lá para cá, houve avanços, ainda que lentos. Apenas entre 2007 e 2013, a Missão Permanente do Brasil junto às Nações Unidas foi chefiada, pela primeira vez, por uma mulher. Entre 2009 e 2013, período que coincidiu com o mais recente mandato eletivo do Brasil no Conselho de Segurança (2012-2013), também o cargo de representante alterno da missão foi ocupado por uma embaixadora.

Apesar dos avanços, os desafios permanecem. Ainda hoje, é comum haver uma divisão de tarefas baseadas em estereótipos sobre homens e mulheres. “Como toda instituição bastante antiga, a tendência à inércia é muito grande. Se as coisas sempre foram feitas de uma maneira, por que alterar? Por isso, as mulheres tradicionalmente foram relegadas a funções ligadas à administração, à [área] consular e até educação. Para quebrar isso, é preciso muita sensibilização”, pontua.

E foi essa mobilização que levou à campanha em defesa de equilíbrio de gênero no âmbito do principal órgão da política externa brasileira. As diplomatas organizaram-se em torno de um coletivo de mulheres, pautaram o tema, estimularam a criação de um Comitê Gestor de Gênero e Raça (CGGR), órgão de caráter permanente e consultivo instituído em 2014 e, agora, estão engajadas na campanha. Tudo isso, segundo Viviane, para mostrar que mulheres podem assumir posições em qualquer área e que essa presença é benéfica para toda a sociedade.

A chefe da Divisão de Paz e Segurança Internacional acredita que, internamente, a campanha levará à ampliação do debate sobre a necessidade de políticas afirmativas para mulheres no Itamaraty. Atualmente, os concursos já contam com a política de cotas para pessoas pretas ou pardas, de acordo com a Lei de Cotas, que reserva aos negros 20% das vagas nos concursos da administração pública federal. E o resultado dessa mudança poderá ser ainda mais abrangente. “Está mais do que demonstrado que a participação de mulheres em negociações aumenta a efetividade das negociações, que o olhar delas sobre muitos temas é diferente, até porque o lugar na sociedade é diferente”, aponta.

Edição: Juliana Andrade



___________________________________________
LINK DA NOTÍCIA:Itamaraty faz campanha para aumentar presença da mulher na diplomacia
FONTE: CENÁRIO MATO GROSSO
___________________________________________
SEJA UM “REPÓRTER CIDADÃO”
Vários vídeos, matérias e denúncias são enviados diariamente a nossa redação pelos leitores do MATO GROSSO AO VIVO.

Se a imprensa de seu município ou Estado não noticia reportagens sobre corrupção, envolvimento de pessoas ou autoridades em crimes, abusos ou de qualquer outra natureza que seja de interesse público?

Mande sua pauta que nós publicamos!

Pode ser pelo e-mail: matogrossoaovivo@gmail.com ou pelo WhatsApp da Redação: (66) 9.8412 – 5210.

Envie fatos com imagens, comprovação, documentos, processos, que a gente apura e publica.
____________________________________________________
GIRO SOCIAL | MATO GROSSO AO VIVO



ALAMBIQUE (31/09) - REPLAY - Festa Flash Back




Deixe seu comentário abaixo e compartilhe, via Facebook e WhatsApp

DIRETO DA REDAÇÃO

Nossa equipe de jornalistas atualiza diariamente um resumo das principais notícias de Alta Floresta e região, de Mato Grosso, do Brasil e do mundo, para manter nosso leitores sempre bem informados.

Adicionar comentário

Click here to post a comment

Deixe aqui seu comentário!

COLUNISTA | DANNY BUENO

PERGUNTINHA DO MÊS:

A prefeitura enviou um projeto de adequação dos valores do IPTU dos imóveis do município e pede que os vereadores aprovem antes do final do ano para ser implementado o aumento já em 2019, você é foi informado sobre esse aumento? Se não, o que acha da forma como a prefeitura está pretendendo proceder com esta questão?

ANÚNCIOS & PUBLICIDADES

COTAÇÃO DO DÓLAR & EURO

MEGA-SENA – ÚLTIMO RESULTADO:

Mega Sena
Fonte: Caixa Econômica
Boa Sorte

VÍDEOS EM DESTAQUE NAS REDES

Nenhum Banner adicionado

error: Conteúdo Protegido ! © Todos os direitos reservados a MatoGrossoAoVivo e suas fontes expressamente citadas.
    /* ]]> */